9.5.17

A BELA E A FERA, O FILME: FOI OU NÃO FOI SÍNDROME DE ESTOCOLMO?

Postado por: Stefanie

  Esse post vai pra série: socorro, sou muito atrasada, e acho que o título já deixa isso mais do que claro, né? Mas como explicações são meio chatinhas, vamos logo ao que interessa!
  Confesso que fui assistir esse filme com muitos receios, mas no geral achei o filme muito bom. Dei uma nota 9 pra ele - lembrando que não sou uma profissional da área.
  Pontos negativos? Tenho só dois.

1. Na questão do ponto de foco, profundidade, e tudo o mais, achei as imagens de primeiro plano embaçadas em 80% das cenas. Não sei se a galera que assistiu em 3D teve a mesma experiência, então caso pra você tenha sido diferente, me deixa aí nos comentários!
2. O QUE SÃO AQUELAS imagens de transição pretas entre uma cena e outra? GROTESCAS! Sinceramente aquilo me soa um erro de edição tão amador que eu quase me questionei: “Tem certeza de que foi a Disney que produziu esse filme?”

“Mas, Helli, por que logo no começo do post você já tá falando tudo o que achou do filme?”


  Simples! Porque não quero falar sobre o filme em si, mas sim sobre algo que quase tirou a atriz Emma Watson do elenco: A Síndrome de Estocolmo que o original de “A Bela e a Fera” tem.
  Para quem não sabe aqui vai aquele resumo: A atriz quase recusou o papel por ser feminista e ativista, sendo contra toda e qualquer forma de agressão ou abuso cometido a uma mulher. Contudo, segundo ela, depois de algumas mudanças ficou tudo bem: a Bela do filme é inventora, destemida, corajosa, empoderada, e sabe bem como dar um chega pra lá no Gaston.
  Mas será que isso basta?


  Segundo Emma Watson em uma entrevista à Entertainment Weekly:
“Ela não tem nenhuma das características de alguém com Síndrome de Estocolmo porque ela mantém sua independência; ela mantém essa liberdade de pensamento"
  E pergunto de novo: será que isso basta?


  Segundo a psicologia um quadro de Síndrome de Estocolmo se caracteriza quando a vítima - a pessoa sequestrada, desenvolve algum tipo de sentimento relacionado à empatia pelo seu sequestrador. 
“Eu também acho que tem uma questão muito diferente quando ela decide ficar. Ela faz da vida dele um inferno. (…) Na verdade, ela dá o que recebe. Se a Fera bate a porta, Bela bate de volta. Há essa provocação ‘se você acha que eu sou sua prisioneira e vou jantar com você, você está absolutamente enganado'”, explica Emma ainda à revista. 
  O que ela diz é um fato. Em momento nenhum a gente nota uma postura submissa da personagem; pelo contrário: o tempo todo ela está batendo de frente com a Fera, questionando, impondo, escolhendo, uma característica que a distancia daquela posição de vítima. 
  Mas outro argumento da Emma é que
“Eles se tornam amigos. Há essa troca genuína e a história de amor deles se constrói a partir daí – em muitos aspectos, é mais significativo do que muitas histórias de amor à primeira vista. Eles não têm ilusões sobre quem é o outro. Eles viram o pior do outro, e eles também evocam o melhor de cada um”.
  Só que quando a gente volta ao conceito do que é Síndrome de Estocolmo: Não se trata de uma paixão propriamente dita, mas simplesmente todo e qualquer sentimento relacionado à empatia.
  E ser amigo de alguém é ter, no mínimo, empatia por aquela pessoa.


  Não venho com esse artigo dizer que ela está errada ou de certa maneira pregar uma rejeição contra a atriz - até porque eu mesma a admiro muito. Mas o tipo de discussão que quero trazer é: 
a síndrome realmente deixou de existir por eles terem se tornado amigos antes (coisa que acontece no filme original também) e pela maneira com que ela não se coloca em posição de submissão?
  No começo eu achei que sim.

“Mas então, Stefanie, tá louca, querida?”

  Tô não. Realmente ela bate de frente com a Fera. Ela inclusive aparentemente fica ali por escolha. Ela tem oportunidades de ir embora, mas escolhe ficar para ajudar, para fazer certa diferença. Só que aí tem uma única fala no filme em que ela diz o seguinte:
“Mas é possível ser feliz sem ser livre?”
  E aí toda a possibilidade de não estar me deparando com uma Síndrome de Estocolmo caiu por terra.


  A própria vítima admite não estar livre. A mesma vítima que criou um sentimento de empatia pelo seu sequestrador. 

  Qual o contrário de estar livre? Preso.
  Preso por quê? Porque ela trocou de lugar com o pai.
  Presa por quem? Pela Fera, dono do castelo.

  Temos aí então uma Síndrome de Estocolmo, mesmo que esta seja feita de maneira teoricamente mais leve. 


  Emma Watson interpreta muito bem. Sou uma grande fã e a admiro muito como atriz, mas me questiono até que ponto ela conseguiu quebrar esse padrão de Síndrome de Estocolmo que tanto desejou.
  Para mim, “A Bela e a Fera” continua sendo um dos meus contos de fadas favoritos que exemplifica, claramente, o que é a Síndrome de Estocolmo. O filme não conseguiu mudar essa visão, essa mensagem, mesmo que tenha tido toda uma série de mudanças significativas.
  E vocês? O que acham? Pra você esse padrão foi quebrado ou continuam enxergando Bela como uma pessoa com Síndrome de Estocolmo?


 bêjú.
31.3.17

Nota de esclarecimento

Postado por: Stefanie
 

 Tenho evitado MUITO tal assunto porque não quero misturar minha vida pessoal com meu trabalho no canal. Porém, tenho compromissos e objetivos com vocês, então venho através desta dar alguns pareceres e fazer alguns pedidos, todos o mais breve possível.
  Tenho passado por muitas situações complicadas familiares. Não quero entrar em detalhes, mas são situações que estão fora do meu controle, e a resolução destes não dependem nem um pouco somente de mim.
  Por conta disso:
   O especial de mês das mulheres vai ficar com dois vídeos atrasados, estou incapacitada de gravar, editar, e demais coisas que preciso fazer para que os vídeos estejam no ar.
   Sobre o sorteio: O mesmo vai ser paralisado hoje mesmo (como prometido), mas vou anunciar o vencedor com certo atraso. Só digo que fiquem despreocupados porque palavra é dívida e um de vocês vai levá-lo sim pra casa.
   Sobre os vídeos de abril: vou iniciá-los com certo atraso, mas abandonar o canal não está nem nos meus últimos planos desesperados da vida.
  Quero agradecer pela quantidade de mensagens que venho recebendo e pedir paciência também quanto à resposta dos comentários no canal do youtube e e-mail. Estes serão respondidos o mais rápido possível, com muito carinho.
  Obrigada por serem pacientes e compreender minha situação. Vou os mantendo informados caso haja alguma novidade, mas de qualquer forma quero tranquilizá-los de que voltarei com tudo o mais rápido possível.

Gratidão,

  Helli. 
5.3.17

Sorteio de "Boa Noite", da Pam Gonçalves, autografado!

Postado por: Stefanie

Vamos comemorar esse especial de mês das mulheres com chave de ouro?
Não sabe do que eu tô falando? Dá uma olhada nesse vídeo aqui:


Agora me diz, quer ou não concorrer? Como é bem, bem fácil, é só seguir o formulário abaixo e torcer muito!

a Rafflecopter giveaway

Boa sorte!


Design e Desenvolvimento por