19.4.14

Resenha: A Hora mais Sombria

Postado por: Stefanie



Antes de começar essa resenha eu adoraria que alguém me dissesse se Meg Cabot tem alguma espécie de irmã gêmea ou algo assim.
Porque só tendo uma para fazer alguns livros tão bons e outros tão ruins.





Em “A Hora mais Sombria”, Suzannah está de férias no colégio, o que automaticamente significa que ela finalmente vai poder aproveitar as belas praias californianas sem precisar se apressar para fazer a lição de casa, certo?
Errado.
Na casa de sua nova família, os filhos do casal têm duas opções nas férias. Ou arranjam um emprego, ou são obrigados a fazer algum tipo de curso de férias. A partir de então não é muito difícil adivinhar o que nossa protagonista escolheu, não é? Só não podia com certeza imaginar que, ao virar babá em um hotel famoso em sua cidade, ela encontraria uma criança que, como ela, pode ver e conversar com os mortos.
É isso aí.
Suzannah então passa a ensinar a essa criança, do jeito dela, como é o trabalho de mediação, só não poderia contar que, enquanto o fazia, certas coisas sobre o passado de Jesse viriam à tona. Justamente porque, tendo escolhido um trabalho, seu irmão Brad fora simplesmente obrigado a ajudar o pai a cavar um enorme buraco no quintal, a fim de construir uma piscina. O que nenhum deles contava é que, sob tanta terra, seria encontrado o corpo daquele pelo qual nossa protagonista está visível e irreversivelmente apaixonada.
Posso resumir esse livro em uma única expressão: de arrancar o fôlego. Então, sim, se você achou que, no começo da resenha, o livro pelo qual eu me referia como “ruim” era esse, está enganado. O quarto volume da série “A Mediadora” é incrivelmente bom, justamente porque aquela evolução que eu mencionei para vocês na resenha anterior não só avança, mas como também, chega a ser incrivelmente criativa.
Meg Cabot acertou a mão nessa série, vou te falar. Completamente diferente de livros como “O Garoto da Casa ao Lado” a autora soube escrever uma história incrivelmente boa. Simplesmente porque é um livro que você vai ser incapaz de largar até que alcance o final que é tão lindo, tão surpreendente, tão... Encantador, que agora estou cogitando seriamente a hipótese de largar essa resenha inacabada só para ler de novo.
Com novos personagens que vêm para ficar, esse livro foge bastante daquilo de simplesmente ajudar uma alma perdida a seguir seu caminho. Sem perder sua essência, Suzannah cresce ainda mais como mediadora, ainda que eu tenha que admitir que tem se tornado um tanto quanto... Chata demais. Em diversos momentos a personagem me soa incrivelmente fútil e me deixa ligeiramente aborrecida, mas o livro é tão bom, mas tão bom, mas tão bom... Que eu simplesmente perdoo a senhorita Suzannah Simon por ser tão idiota em certos momentos.
O livro não é bom. É ótimo. Mas se prepare para passar nervoso com um certo alguém extremamente insuportável. Bem como para perder o fôlego com brigas que vão te fazer querer torcer como se visse uma luta UFC ao vivo. O que eu particularmente não gosto, mas nesse livro...
Su-za-nnah! Su-za-nnah! Su-za-nnah!



Título: A Hora mais Sombria
Série: A Mediadora
Autora: Meg Cabot
Páginas: 271
Editora: Galera Record 
Nota: ★★★★★♥

Nenhum comentário:

Postar um comentário



Design e Desenvolvimento por