26.4.14

Resenha: Sociedade dos Meninos Gênios

Postado por: Stefanie



por Gianne



Londres. Século 19.
Violet e Ashton Adams são irmãos gêmeos, mas as semelhanças entre os dois param bem onde começam: nas aparências. Enquanto Ashton é dono de uma pulsante veia artística, Violet herdou toda a genialidade do pai no campo da ciência e da mecânica.





Com uma vida inteira dedicada a pequenas-grandes invenções, feitas no laboratório improvisado no porão de casa, não é de se espantar que o sonho da jovem cientista seja, justamente, estudar na renomada Universidade de Illyria, exclusiva para gênios.
Primeiro problema: a universidade só aceita meninos.
Para eliminar o detalhe, Violet se disfarça como homem e assume a identidade de Ashton para poder se matricular em Illyria com a ajuda do irmão. Certo, não? Ahn, não.
Como se não bastasse ter que manter sua identidade a salvo, a linda (e genial) Cecily Worthing, protegida do Duque Ernest, diretor da universidade, se apaixona por Violet. Ou melhor, se apaixona pelo alter ego da jovem. Para completar, a própria Violet se vê balançada pelo duque.
Entre invenções, chantagens, robôs assassinos, coelhos falantes e uma boa dose de humor, a missão de Violet é chegar inteira à Feira de Ciências que encerra o ano letivo.
A história pode até girar ao redor de Violet Adams. No entanto, acredito que protagonista de A Sociedade dos Meninos Gênios seja justamente a própria sociedade. O enredo se passa em Londres, mas os temas abordados são tão universais que poderia muito bem se passar na sua cidade ou no seu bairro. Arrisco dizer que praticamente todo mundo já se viu frente a alguma situação levantada pelo autor ou se identifica com algum dos personagens.
Particularmente, a insegurança e a genialidade do Duque Ernest me ganharam facinho, facinho. E o que dizer do jeito boêmio e desencanado do verdadeiro Ashton? A vilanice fica por conta de Volio. Apesar de um pouco caricato, ele é um gênio. Vilões apaixonados, malvados e vingativos são sempre perigosos. Se for um gênio então... Melhor sair de perto do moço.
Lev AC Rosen consegue criticar praticamente todos os tipos de preconceitos. Raça, cor, credo, nível social, sexualidade, intelectualidade... Tudo com uma ironia tão sutil que às vezes é impossível não fechar o livro por alguns segundos para poder respirar e refletir. Mas é coisa rápida. O ritmo de leitura não permite ao leitor muita pausa. Principalmente da metade para o final - é aí mesmo que as coisas começam a ficar eletrizantes. O livro dosa bem humor, ação, mistério, romance e, claro, ciência. Para quem gosta de steampunk, essa é uma obra que todo mundo deveria ler.
Apenas duas coisas me incomodaram durante a leitura.  Uma delas foi o excesso de palavras e frases em francês que a governanta de Cecily fala. São frases e expressões soltas usadas como um recurso para compor a personagem. O fato de entender um pouco de francês me ajudou a não ficar perdido, mas mesmo quem não sabe nada do idioma pode entender pelo contexto sem problemas... Enfim, apenas um detalhe a parte que, em alguns momentos, se torna um pouco excessivo.
Outro ponto que me deixou insatisfeito foi justamente como as coisas correram rápido. A primeira metade do livro se resume basicamente em contar como foi a seleção e a primeira semana de aulas. Mudança de tempo... e vem o Natal. Outra mudança de tempo... e lá vem a Páscoa. Mudança de tempo de novo e... acabou.
Cri, cri, cri.
O final é inteligente e merecia ser mais bem aproveitado. Queria um clímax mais longo, um desfecho menos apressado. Como aquele último pedacinho de doce que você saboreia o mais devagar possível só pra poder sentir aquele gostinho por mais tempo. Senti como se tivessem empurrado o doce goela abaixo e quando fui saborear, já era. Isso é um pouco frustrante já que é um livro sem continuação.
Ainda assim, é uma leitura instigante e bem humorada. Recomendo. 



Título: Sociedade dos Meninos Gênios
Autor: Lev AC Rosen
Páginas: 544
Editora: Novo Conceito
Nota: ★★★☆☆

Nenhum comentário:

Postar um comentário



Design e Desenvolvimento por