25.1.18

RESENHA: TCHAU, LYGIA BOJUNGA

Postado por: Stefanie


 Sábado, dia 27 de Janeiro, sai no canal a resenha desse livro maravilhoso! Mas que tal, até lá, curtir uma resenha individual de cada um desses contos? Rapidinho e sem spoiler! Quer algo melhor?

TCHAU – CONTO I
 “Tchau” é o conto que dá também título a esse livro de contos da autora nacional Lygia Bojunga, iniciando a obra. Ele vai contar a história da pequena Rebeca, uma garotinha que precisa lidar não só com a separação dos pais, mas inclusive com a partida de sua mãe.
 Durante 20 páginas e uma narrativa dolorosa, Lygia busca retratar o quão doloroso para uma criança pode ser a separação, e o quanto esta muitas vezes tenta acabar com essa dor, mesmo que seja uma decisão que não está ao seu alcance.
 “Tchau” de maneira rápida e direta vai delinear o rompimento de uma relação; da sensibilidade do sentimento; e da força que muitos acham que têm. É um conto que é capaz de rasgar a alma, e tocar muitas pessoas que já passaram por uma situação mais do que parecida em um mundo em que rompimentos têm se tornado cada vez mais frequentes.
 Como Rebeca lida com tudo isso? Por que sua mãe vai embora? E seu pai? Como ele reage com tudo isso? Essas são só algumas das respostas dolorosas que vamos ter, em uma pequena grande história de inundar os olhos.

O BIFE E A PIPOCA – CONTO II
 “O Bife e a Pipoca” é o segundo conto do livro “Tchau”, da autora nacional Lygia Bojunga, e nesse a relação vai sair um pouquinho do âmbito familiar, mas não vai se distanciar muito não: vamos ficar ali no ramo da amizade.
 Nessa história a gente conhece os personagens Rodrigo e Tuca, duas crianças que estudam na mesma sala de aula, o que é muito comum, até a gente ficar sabendo que o Tuca, o novo aluno, tem um diferencial: é bolsista nesse colégio muito caro.
 O enredo então vai se desenrolar a partir das diferenças entre essas duas crianças, mas uma diferença que fica à margem financeira. Rodrigo é um garoto muito rico, enquanto Tuca é tão pobre que mora em uma favela, bem lá em cima do morro, uma diferença que vai atormentar esse segundo menino com vergonha e timidez.
 Esse é o conto mais longo do livro: tem 40 páginas. Mas apesar da quantidade, mal se sente o tempo passar durante a leitura, principalmente quanto a história vai se desenhando, e com ela vamos sentindo a inocência da infância, que não vê diferença em bens materiais, mas sim nos sentimentos.
 O quanto vale um sorriso? O quanto vale um amigo? Em quantas notas se paga um sentimento? São só alguns dos fortes questionamentos que o conto nos deixa, emocionando o leitor até o fundo da alma, em uma narrativa tocante e muito sensível. Com certeza para refletir!

A TROCA E A TAREFA – CONTO III
 “A Troca e a Tarefa”, terceiro conto do livro “Tchau” da autora nacional Lygia Bojunga, vai falar sobre válvulas de escape, e o quanto essas podem ter um preço muito caro. O conto que aparentemente se distancia um pouco da temática da despedida, se inicia falando sobre sentimentos, que muitas vezes nos cega, ensurdece, e que precisam de alguma maneira serem contidos. E é exatamente aí que entra a válvula de escape, uma atitude quase que desesperada da personagem escritora, que acompanhamos por 23 páginas, em busca de certa paz.
 Cansada de viver enciumada, ela busca, através da escrita, externalizar esses sentimentos que não lhe dão paz, se livrando deles da maneira que consegue. Mas sem que soubesse, essa sua atitude inicia uma espécie de profecia, que diz que ao alcançar o número 27 de livros sua vida acabaria.
 Será que ela consegue controlar a maneira que encontrou de encontrar paz? E o quanto esse conto, talvez, assustadoramente pode conversar com a própria Lygia Bojunga, com seus livros publicados? Em um comentário mais pessoal, me assustei com esse conto em especial, e o medo que me deu em a autora contextualizar isso com a própria vida, me fazendo contar desesperadamente quantos títulos ela já tinha publicados.
 Na esperança de um medo bobo alerto quanto à tensão do conto, que perdura por cada palavra. A tensão que envolve o leitor no receio de ver a personagem escritora definhando em si mesma, em uma narrativa assustadora sobre limites e tentativas.

LÁ NO MAR – CONTO IV
 “Lá no Mar” fecha, sem muito alarde, o livro “Tchau”, da autora nacional Lygia Bojunga, ao retratar quase finais, que podem se tornar talvez novos começos. 
 Aos meus olhos “Lá no Mar” é um conto de esperança. Esperança para quem não tem mais esperança. Aquela luz no final do túnel que muitas vezes alguém sequer imagina que possa existir. 
 De maneira simbólica, somos apresentados ao personagem Barco, que por acasos da vida perde seus pescadores. Desamparado, acredita que chegou ao fim, e que inclusive tem que procurar por ele o mais rápido possível: quem sabe afundando, indo lá pro fundo do mar, ele não reencontre aqueles amigos de tanto tempo?
 Certo de sua decisão, faz o possível e impossível para ajudar, sem imaginar que quando menos esperasse surgiria um menino em sua vida, que quem sabe lhe apresente uma nova maneira de enxergar a vida, lhe dando um novo motivo para ficar ali: inteirinho.
 Dono de uma temática forte e muito bonita, o conto infelizmente ainda assim não se destaca perante a intensidade dos demais. Apesar de muito bom, não soa esplendido como os outros: mas talvez isso seja apenar questão de ponto de vista.
 Como os outros contos e histórias de Lygia Bojunga, tudo é muito pessoal. O que mexe comigo, pode talvez de alguma maneira não te alcançar e vice e versa. Então quem sabe a história desse Barco te envolva? E junto com ele você encontre algum tipo de esperança, em um momento que talvez pareça não haver mais luz?
 Em suma é um livro grandioso, que envolve o leitor de corpo e alma, e tenho certeza de que com ao menos um deles você vai se identificar. 

 E aí? Qual deles chama mais sua atenção? E melhor... Qual deles, caso já tenha lido, você mais gostou? Me conta aí nos comentários ou lá no youtube, vou amar saber sua opinião!

(a ser atualizado com o vídeo do youtube)


Um comentário:



Design e Desenvolvimento por